Segunda Lei de Mendel Também ou Lei da segregação independente dos genes

Dezembro 14, 2009 at 11:11 pm (Uncategorized)

Mendel nas suas experiências também cruzou plantas que diferiam em relação a dois pares de alelos. Neste cruzamento, que tinha como objectivo esclarecer a relação de diferentes pares de alelos, ele cruzou plantas que possuíam sementes amarelas e lisas com plantas que possuíam sementes verdes e rugosas. A geração F1 resultante entre o cruzamento dos progenitores homozigóticos é formada por híbridos (heterozigóticos) para dois pares de genes. A geração F1 (GgWw) é formada por diíbridos e, por extensão, o cruzamento GGWW x ggww é um cruzamento diíbrido. Sabia-se, graças a experiências anteriores, que os alelos que determinavam sementes amarelas e lisas eram dominantes e sobre seus respectivos alelos, que produziam sementes verdes e rugosas. Assim, considerando dois deles tinham-se as informações:

Caráter cor dos cotilédones

Já tinha sido observado que o padrão amarelo (V_) apresentava dominância sobre o padrão verde (vv)

Carácter aspecto da casca da semente

Neste caso, já se observa que o padrão de casca lisa (R_) era dominante sobre o tipo casca rugosa ( rr)

O estudo

Os cruzamentos foram realizados no mesmo esquema da elaboração da primeira lei. A geração parental (P) utilizava duas plantas homozigóticas para as características estudadas, assim uma duplo-dominante (AA) era cruzada com um duplo-recessiva (aa). Desse cruzamento surgiu um híbrido heterozigótico (Aa). Mendel seleccionou dois caracteres das sete estudadas na primeira lei para comparação, ervilhas amarelas(AA) e lisas(BB)(duplo-dominante) e ervilhas verdes(aa) e rugosas(bb)(duplo-recessiva).No primeiro cruzamento (F1) todas as ervilhas obtidas eram amarelas(Aa) e lisas(Bb). Na segunda geração(F2) foram obtidas ervilhas amarelas(A_) e lisas(B_), amarelas(A_) e rugosas(bb),verdes(aa) e lisas(B_) e verdes(aa)e rugosas(bb), Na proporção, respectivamente, 9:3:3:1 (P)AA/aa + BB/bb (F1)AAxaa=Aa BBxbb=Bb (F2)AaxAa=AA/Aa/Aa/aa BbxBb=BB/Bb/Bb/bb

Cruzamentos possíveis de todos os gâmetas obtidos

Gâmetas             AB          Ab          aB           ab

AB          AABB    AABb    AaBB     AaBb

Ab          AABb    AAbb    AaBb     Aabb

aB           AaBB     AaBb     aaBB      aaBb

ab           AaBb     Aabb     aaBb      aabb

A_: Dominante(cor Amarela). B_: Dominante(forma Lisa). aa: Recessivo(cor Verde). bb: Recessivo(forma Rugosa).

Assim na geração F2 constata-se a existência de quatro fenótipos distintos, sendo dois idênticos da geração parental (A_B_) e dois novos(A_bb e aaB_). Todos os resultados confirmaram que os genes de cada carácter passavam de forma independente dos demais, ou seja, o fenótipo dominante – amarelo – não era transmitido obrigatoriamente com o fenótipo dominante – liso, o mesmo ocorreu com a transmissão dos fenótipos recessivos – verde e rugoso – para os descendentes.

Permalink Deixe um comentário

Mendel

Dezembro 14, 2009 at 11:08 pm (Uncategorized)

Vamos chamar de linhagem os descendentes de um ancestral comum. Mendel observou que as diferentes linhagens, para os diferentes caracteres escolhidos, eram sempre puras, isto é, não apresentavam variações ao longo das gerações. Por exemplo, a linhagem que apresentava sementes da cor amarela produziam descendentes que apresentavam exclusivamente a semente amarela. O mesmo caso ocorre com as ervilhas com sementes verdes. Essas duas linhagens eram, assim, linhagens puras. Mendel resolveu então estudar esse caso em específico.

A flor de ervilha é uma flor típica da família das Leguminosas. Apresenta cinco pétalas, duas das quais estão opostas formando a corola, em cujo interior ficam os órgãos reprodutores masculinos e femininos. Por isso, nesta planta, a norma é haver autofecundação, não ocorrendo fecundação cruzada. Logo para cruzar uma linhagem com a outra era necessário evitar a autofecundação.

Depois de algum tempo, quando as flores se desenvolveram e estavam maduras, polinizou as flores de ervilha amarela com o pólen das flores de ervilha verde, e vice-versa. Essas plantas constituem portanto as linhagens parentais. Os descendentes desses cruzamentos constituem a primeira geração em estudo designada por geração F¹, assim como as seguintes são designadas por F², F³, etc.

Resultados em F¹

Todas as sementes obtidas em F¹, foram amarelas, portanto iguais a um dos pais.

Uma vez que todas as sementes eram iguais, Mendel plantou-as e deixou que as plantas quando florescessem, se autofecundassem, produzindo assim a geração F².

Resultados em F²

As sementes obtidas na geração F² foram amarelas e verdes, na proporção de 3 para 1, sempre 3 amarelas para 1 verde.

Interpretação dos resultados

Para explicar a ocorrência de somente sementes amarelas em F¹ os dois tipos em F², Mendel começou por admitira existência de factores que passa, dos pais para os filhos por meio dos gâmetas. Cada factor seria responsável pelo aparecimento de um carácter.

Assim, existiria um factor que condiciona o carácter amarelo e que podemos representar por V (maiúsculo), e um factor que condiciona o carácter verde e que podemos representar por v (minúsculo). Quando a ervilha amarela pura é cruzada com uma ervilha verde pura, o híbrido F¹ recebe o factor V e o factor v, sendo portanto, portador de ambos os factores. As ervilhas obtidas em F¹ eram todas amarelas, isso quer dizer que, embora tendo o factor v (minúsculo), este não se manifestou. Mendel chamou de “dominante” o factor que se manifesta em F¹, e de “recessivo” o que não aparece. Utiliza-se sempre a letra do carácter recessivo para representar ambos os caracteres, sendo maiúscula a letra do dominante e minúscula a do recessivo.

Continuando a análise, Mendel contou em F², o número de indivíduos com carácter recessivo, e verificou que eles ocorrem sempre na proporção de 3 dominantes para 1 recessivo.

Mendel chegou a conclusão que o factor para verde só se manifesta em indivíduos puros, ou seja com ambos os factores iguais a v (minúsculo). Em F¹ as plantas possuíam tanto os factores V quanto o factor v sendo, assim, necessariamente amarelas. Podemos representar os indivíduos da geração F¹ como Vv (heterozigotico, e, naturalmente, dominante). Logo para poder formar indivíduos vv (homozigotos recessivos) na geração F² os gâmetas formados na fecundação só poderiam ser vv.

Este facto não seria possível se a geração desse origem a gâmetas com factores iguais aos deles (Vv). Isso só seria possível se ao ocorrer a fecundação houvesse uma segregação dos factores V e v presentes na geração F¹, esse factores seriam misturados entre os factores V e v provenientes do pai e os factores V e v provenientes da mãe. Os possíveis resultados sendo: VV, Vv, vV e vv.

Este fato foi posteriormente explicado pela meiose, que ocorre durante a formação dos gâmetas. Mendel havia criado então sua teoria sobre a hereditariedade e da segregação dos factores.

Permalink Deixe um comentário

Dominância incompleta

Dezembro 14, 2009 at 11:06 pm (Uncategorized)

A Dominância Incompleta é o termo utilizado pelos geneticistas para descrever situações em que o fenótipo dos indivíduos heterozigóticos é intermédio, em termos quantitativos, entre os fenótipos dos dois homozigóticos. Ocorre em indivíduos heterozigóticos que apresentam fenótipos intermédios entre os seus progenitores de linhagens puras, isto acontece porque uma única cópia do gene funcional não ser suficiente para assegurar o fenótipo. Galinhas andaluzas

Um exemplo de dominância incompleta é a cor da plumagem em galinhas da raça andaluza. O cruzamento de aves de uma linhagem pura de plumagem preta com aves puras de plumagem branca produz descendentes de plumagem cinza-azulada. Quando indivíduos cinza-azulados são cruzados entre si, obtém-se três tipos de descendentes, na seguinte proporção: 1 com plumagem preta; 2 com plumagem cinza-azulada; 1 com plumagem branca.

Permalink Deixe um comentário

Hereditariedade dos genes ligados ao cromossoma X

Dezembro 14, 2009 at 3:02 am (Uncategorized)

Os genes ligados ao sexo situam-se no cromossoma X, visto que o cromossoma Y não possui alelos.  Assim, os genes localizados no cromossoma X exprimem-se sempre no Homem, pois este não possui os alelos correspondentes no cromossoma Y. Por essa razão, os homens são conseiderados hemizigoticos (repara que no homem o alelo que condiciona determinada caracteristica está localizado no cromossoma X e por isso manisfesta-se sempre, seja dominante ( ) ou recessivo ( ). 

EXEMPLOS:                              

  • Hemofilia;
  • Daltonismo
  • Raquitismo vitaminico-resistente

 

Relativamente aos genes ligados ao cromossoma X, pode afirmar-se que:

  • Se o gene é dominante, manifesta-se igualmente no sexo masculino ( )e no sexo feminino (  OU  );
  • So o gene é recessivo manifesta-se sempre nos homens ( ), e nas mulheres só no estado hemozigótico ( );
  • Um pai transmite os genes localizados no cromossoma X a todas as suas filhas e nunca aos filhos, uma vez que para os filhos so transmite o cromossoma Y;
  • As mulheres homozigóticas transmitem os genes a toda a descendencia, sendo que as heterozigóticas transmitem o gene recessivo a metade da descendência e o gene dominante à outra metade;
  •  Uma mulher pode receber os genes localizados no cromossoma X do pai e da mãe, enquanto que um homem qpenas recebe os genes localizados no cromossoma X proveniente da mãe.
  • Se o gene localizado no cromossoma X for dominante, o nº de mulheres que manifestam a característica é aproximadamente o dobro dos homens;
  • Se o gene localizado no cromossoma X for recessivo, o nº de homens que manifesta a característica é muito maior do que o nº de mulheres. Isto deve-se ao facto de que o gene recessivo manifesta-se sempre quando esta presente no homem, enquanto que a mulher só se manifesta se for homozigótica para essa característica.

Permalink Deixe um comentário

Ligação Factorial

Dezembro 14, 2009 at 2:58 am (Uncategorized)

Quando dois genes estão localizados no mesmo cromossoma, estes não se segregam de forma independente, sendo na maioria das vezes herdados juntos. Desta forma, as proporções mendelianas esperadas não ocorrem, verificando-se uma maior frequência dos fenótipos parentais.

Tal confirma o facto de o número de cromossomas ser inferior ao número de genes, pelo que um só cromossoma teria de conter vários genes.

Mas, sendo assim, porque surgem fenótipos recombinantes num cruzamento-teste? 

Na Prófase I da meiose pode ocorrer crossing-over entre os dois cromossomas homólogos. Estas regiões do cromossoma podem ser trocadas reciprocamente, tornando-se recombinantes. Assim, nem todos os descendentes possuirão os fenótipos parentais, surgindo em seu lugar fenótipos recombinantes.

  • As frequências de recombinação são tanto maiores quanto mais afastados estiverem os dois loci, uma vez que tal facilita a separação e recombinação durante a meiose.

Permalink Deixe um comentário

Co-dominância

Dezembro 14, 2009 at 2:55 am (Uncategorized)

Co-dominância é um tipo de interacção entre alelos de um gene onde não existe relação de dominância, o indivíduo heterozigótico que apresenta dois genes funcionais, produz os dois fenótipos, isto é, ambos os alelos do gene num indivíduo diplóide se expressam.

Exemplo: O tipo sanguíneo humano, apresenta 3 alelos A, B e O. Portanto apresenta 6 genótipos diferentes que originam 4 fenótipos diferentes: o tipo A, B, AB e O.

OA/OA; OA/O –> Tipo A

OB/OB; OB/O –> Tipo B

OA/OB –> Tipo AB

O/O –> Tipo O

Permalink Deixe um comentário

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.